Viajem SP + DVD Princípio

Padrão

Complexo WTCCom o anúncio da gravação do DVD Princípio do Leonardo Gonçalves, em São Paulo, rapidamente eu e meu irmão nos organizamos para prestigiar este evento, que tinha tudo para ser marcante. Afinal, seria o primeiro DVD do Leonardo, que agora faz parte do casting da Sony Music, e em um grande teatro, com certeza seria incrível. Minutos após o início da venda do primeiro lote de ingressos e já tínhamos garantido nossos lugares em uma das frisas do Teatro Bradesco.

Conseguimos uma boa promoção nas passagens e aproveitamos para conhecer um pouco melhor a cidade, indo dias antes, fui em locais novos e mostrei outros pontos de São Paulo que já conhecia  para o meu irmão Renan.

Banda Nova Semente

No SÁBADO, a nossa aventura obviamente iniciou com a ida à IASD Nova Semente. Como descemos no metrô da Avenida Paulista, aproveitamos para conhecer a Paróquia Jesuíta que fica no início da avenida, e passamos também pelo palacete da Casa das Rosas. Assim que chegamos na igreja, fomos muito bem recebidos pelo Jother, que nos aconchegou em sua classe de discipulado, onde passamos bons momentos. Ao iniciar o louvor do culto, na programação da comunidade, já sentimos um gostinho do que seria o DVD, já que o pianista da igreja seria também o pianista no DVD. Grande banda essa, grandes músicos!

Terminado o culto fomos à casa do nosso novo amigo e irmão Jother com sua família e amigos, onde passamos ótimos momentos à mesa servidos de um saboroso almoço de sábado. Ao final do dia ainda, fomos novamente à Nova Semente, assistir ao Programa Viva – Uma Experiência Real, com o Pr. Kleber Gonçalves. Que inclusive nos fez pensar se realmente havíamos ido à Nova Semente porque tínhamos ido ao DVD, ou se estávamos indo ao DVD porque íamos à Nova Semente (?).

Como tivemos um bom tempo planejando esta viajem, foi possível organizar nossas refeições para usufruirmos de boas opções. Sendo assim, jantamos no sábado o “Ultimate Nachos” do The Joy em Higienópolis, próximo à Makenzie.

Memorial da Resistência @ DEOPS/SP

No DOMINGO, no momento em que estávamos revisando o roteiro do dia, o Renan por acidente vê por acaso um tweet do PC Baruk, de que ele estaria se apresentando próximo ao metrô Praça da Árvore. Rapidamente revisamos nosso itinerário e nos organizamos para estar lá no horário.

Iniciamos nosso tour pela região da Luz, passamos pela Estação Júlio Prestes, Parque da Luz, Pinacoteca do Estado e pelo Memorial da Resistência, a antiga sede do DEOPS, onde ficaram presos os inimigos da ditadura militar.

Baruk ao Xilofone

De lá a partir da Estação da Luz, nos dirigimos à estação Praça da Árvore. Após alguma caminhada chegamos ao Espaço SuperNova, do “Projeto Redenção”, onde o Baruk se apresentaria. Da rua já podíamos ouvir a congregração cantando Mais que uma Voz, e em uma apresentação de Piano & Voz + Violão + Xilofone (!) assistimos o seu concerto e conhecemos um pouco melhor sobre o projeto do Espaço SuperNova. Lá fomos extremamente bem recebidos e apresentados à comunidade pelo próprio Baruk. Terminada essa experiência, fomos então ao Parque da Independência, um complexo cultural cortado pelo Riacho do Ipiranga, onde (supostamente) foi dado o “grito da independência”. O parque abriga o Museu do Ipiranga, um palácio que até então eu pouco tinha conhecimento, mas que possui diversos artefatos históricos do tempo do império, dentre eles o próprio quadro Grito do Ipiranga, de Pedro Américo. Dentro do complexo existe ainda um imenso jardim e em sua extrema o Monumento à Independência do Brasil, que possui ainda uma cripta subterrânea onde está o túmulo de D. Pedro I.

Após o parque, fomos para a Avenida Paulista, na feira de antiguidades do MASP que ocorre aos domingos de onde saí com novas e antigas (ou antigas novas) moedas, e de lá partimos para o Parque do Ibirapuera com as nossas bikes emprestadas do programa Bike Sampa / Itaú. Chegamos no parque ao pôr-do-sol e aproveitamos as ciclovias para então voltarmos ao hotel. Ao final, jantamos no que era para ser um tradicionalíssimo restaurante italiano “La Farina”. Mas segundo comentários recentes e de acordo com a nossa própria experiência, parece que ele não é mais tão bom quanto outrora.

SEGUNDA-FEIRA visitamos a região do Anhagabaú e o Centro Antigo de SP. Já tínhamos marcado nossa visita ao Edifício Martinelli, que desde a minha primeira ida à SP tive vontade de conhecer. Fomos muito bem recebidos em uma visita guiada, onde nos foi apresentada toda a história do prédio. Do incrível terraço, que servia de casa para a família Martinelli, já avistamos o nosso próximo destino: Edifício Altino Arantes, o Banespão. Este que é maior, mais imponente, mas não tão charmoso quanto o excêntrico Martinelli.

Terraço do Shopping Vila Olímpia

Cruzamos rapidamente o centro antigo, por trás da 25 de março para chegar ao Mercado Municipal de onde fomos rumo ao Itaim Bibi para conhecer a tão falada “Hamburgueria Nacional“. Nosso almoço não decepcionou, realmente o ambiente, as opções e os hamburguers lá são incríveis! Estando nas redondezas, fomos ao Shopping Vila Olímpia, que possui um terraço super confortável para descanso, onde tiramos uma sesta nos sofás-cama. Acordamos, recarregamos as energias no Hooters e fomos para a região do Berrini conhecer o complexo WTC e a Ponte Estaiada. Terminada nossa aventura neste lado da cidade, voltamos ao centro para finalizar o dia no “Moraes, o Rei do Filé“. Ao ler os comentários do local, já sabíamos que não teríamos um bom atendimento, mas resolvemos correr o risco, afinal era um restaurante de 99 anos (sim, quase 100), especialista em mignon, onde Adoniran Barbosa escreveu a música “Trem das Onze”. O local é de 1914 mas parou nos anos 80, possui um gerente-coronel, atendimento apático, caixa-registradora, etc… Mas nas paredes, entre os azulejos estão pendurados vários os prêmios do restaurante. E quanto aos filés: realmente, valem a pena a ida!

Rua Oscar Freire

TERÇA-FEIRA, nosso último dia, realmente prometia. Começamos com aquele tour musical pela rua Teodoro Sampaio, recheada de lojas de instrumentos. Como nosso objetivo era almoçar na Augusta, fomos à pé pela rua Oscar Freire. Já na rua Augusta, almoçamos na galeria Vila San Pietro. Como era nosso último dia, e justamente “o dia” da gravação do DVD, tínhamos pouco tempo, e alguns lugares para visitar. Então, rapidamente voltamos ao centro para visitar a Cripta da Catedral da Sé, uma mini-capela subterrânea, onde estão enterradas grandes personalidades do país, como o Padre Bartolomeu Gusmão (inventor do balão voador).

Edifício Itália visto do Copan

Ainda no Centro Antigo, visitamos outros dois prédios, o Copan, e o Edifício Itália. No Copan também há horário de visita, e é acompanhado de um segurança. Na nossa visita tivemos a companhia de alguns fotógrafos old school. O interessante da visita, é que assim como o Banespão e o Martinelli, o Copan e o Itália são bem próximos, o que proporciona uma boa vista de um para o outro.

Como já estávamos em contagem regressiva para o concerto de gravação, aproveitamos o pouco tempo que nos restava para conhecer o Ponto Chic (não é do Almeci de Imbituba-SC), o local onde foi criado o Bauru, o mais brasileiro dos lanches. Segundo a história, um estudante de Bauru-SP apelidado como “Bauru” entre os frequentadores do local pediu nesta lanchonete um sanduíche com rosbife, tomate, pepino e queijo. Os presentes no local gostaram da ideia, e pediram “um igual ao Bauru”, e ali nasceu o famoso lanche.  O “Bauru Original” realmente não decepciona, é muito bom!

Após algumas estações de trem, metrô e táxi, finalmente chegamos ao Bourbon, o shopping que abriga o Teatro Bradesco, local da gravação. Passado algum tempo de espera e uma fila gingante, entramos no teatro. A estrutura da sala impressiona! Por chegar cedo, pudemos escolher os melhores locais entre as frisas do primeiro andar visando melhor acústica e visualização, no melhor estilo Sheldon. Aos poucos o teatro lotou, as luzes apagaram, e foi anunciado o início da gravação do primeiro DVD do Leonardo Gonçalves: Princípio.

Com as cortinas ainda fechadas, o sistema de som da sala começa a tocar as primeiras notas do piano rhodes e as frases da música Sublime, e no momento em que toda a banda “entra na música”, as cortinas se abrem. Em meio à muitos aplausos, a plateia pôde ver o incrível cenário do palco, coroado pela participação dos quatro membros da banda. O batera munido de uma Ludwig, de frente para os dois nords do pianista, tendo na parte de trás atrás dois amplis Fender para o guitarrista e um Ampeg para o baixo.

No repertório, músicas dos quatro CD`s e algumas inéditas, nas teclas, timbres de piano acústico, rhodes, hammond e clavinet. Por ser uma banda reduzida, boa parte das músicas contaram com mudanças em suas nuances, um bom exemplo é a música There, que teve a participação do Duca Tambasco tocando baixo acústico. O concerto contou ainda com a participação da Daniela Araújo, esposa do dono do show, e de uma super equipe no vocal da música Getsêmani.

A gravação como um todo teve pouquíssimas paradas, e apenas duas músicas tiveram que ser regravadas, obviamente que ninguém reclamou. O concerto terminou com o Leonardo cantando a música Princípio e Fim, com a sua esposa, e ao saírem do palco, a banda continuou fazendo um instrumental brilhante.

Nos resta agora esperar pelo lançamento do DVD/Blu-ray!

Cripta da Catetral da Sé Gravação do DVD Princípio Casa das Rosas Edifício Copan Banespão visto do Edifício Martinelli Edifício Copan Ponte Estaiada Edifício Martinelli Parque da Independência Museu do Ipiranga Ranieri e Renan @ Parque da Luz Masp @ Av. Paulista